quarta-feira, 17 de maio de 2017

Janela da Frente - NÃO OS QUEREMOS FORA DE JOGO!... - Maria Teresa Serrenho






Bem… depois de um fim de semana sui generis, com um sábado pleno de acontecimentos “gloriosos” a que seguiu uma chusma de notícias reportagens, entrevistas… os acontecimentos foram-se atropelando uns aos outros…
E o nosso jornalismo, que explora até ao tutano as banalidades do dia a dia, desde o futebol às visitas e selfies, afectuosas, do Presidente da Republica, vê-se de repente confrontado com três acontecimentos no mesmo dia. Acontecimentos que poderiam, cada um, dar uma semana de notícia, no mínimo.
Foi azar! Afinal poderia render muito mais. Vai tudo acontecer no mesmo dia?...    
A vinda do Papa Francisco que já andava a ser notícia há semanas, com todos os detalhes, da segurança, à dormida, das flores ao mais ínfimo pormenor, seria com certeza motivo de reportagens, entrevistas, opiniões, interpretações, enfim o costume…
Mas não! Logo a seguir, joga o Benfica e torna-se tetra campeão, e pronto, foram as comemorações nas ruas, e claro os comentadores, as jogadas, o regozijo, as criticas e as felicitações dos adversários…
Quase em simultâneo, a transmissão do Festival da Eurovisão!
O Festival que passou por longos anos de quase indiferença, considerado por muitos como démodé… De repente, passou a ter honras de notícia total. Portugal ganhou! Todos os órgãos de comunicação social, das televisões, às rádios e aos jornais, quer digitais quer em papel. A exaltação do orgulho nacional, foi unânime e motivo de mensagens, entrevistas, opiniões…enfim o costume...
Segunda feira chegaram mais boas notícias, a economia portuguesa cresceu 2,8% no primeiro trimestre de 2017, o mais positivo dos últimos 10 anos!...
Eis que Portugal é já fonte de inspiração para outros povos, outros países…
Claro que as coisas boas, são sempre boas! As coisas boas trazem mais esperança, mas... 
Vamos lá imaginar…o país das maravilhas, onde as ruas, p’ra variar, serão perfeitas bandas desenhadas, que animarão o nosso Verão, com personagens fofinhas que tudo prometerão…daqui até Outubro, até as “bengalas dos velhos, são feitas de chupa-chupa” e a festa será permanente! Dos concertos, ao porco assado, dos bailaricos, ao fogo de artificio… Nada faltará…
E a gente comum, a gente que constrói o país, a gente?...
A gente, vai fazendo a sua vida, vai assistindo a tudo, muitas vezes com um sorriso amargo no canto da boca e com a mesma carteira vazia, com os mesmos problemas, com a mesma precariedade, com a mesma sensação de revolta interior, com as mesmas injustiças, com os mesmos medos, com os mesmos comprometimentos, com o mesmo conformismo…
“(…) como se o futuro fosse hoje, como se a eternidade fosse aqui... como se o penalti fosse a última das ofensas, como se os fora de jogo que realmente importam não fossem justamente os milhões de seres humanos postos “fora de jogo”, “penaltizados” no seu direito de ser gente, no seu direito de ser pessoa, dentro do campo da vida, com o direito a viver em plenitude o campeonato da existência.” (Frei Fernando Ventura, in Tribuna Expresso)
Este foi o tempo do regozijo, esperemos que agora venha o tempo do compromisso, por parte dos que se propõem a fazer das nossas freguesias e dos nossos municípios, locais melhores, onde haja melhor qualidade de vida, onde possa haver de novo esperança num país mais justo e equitativo, onde a festa seja mesmo de todos!...




1 comentário:

  1. Pois... a Euforia dos 3 F's "Fado, Futebol e Fátima! Tudo num dia... e depois!?? Gostei do Post da Teresa Serrenho! Parte do texto... "A gente, vai fazendo a sua vida, vai assistindo a tudo, muitas vezes com um sorriso amargo no canto da boca e com a mesma carteira vazia, com os mesmos problemas, com a mesma precariedade, com a mesma sensação de revolta interior, com as mesmas injustiças, com os mesmos medos, com os mesmos comprometimentos, com o mesmo conformismo…
    “(…) como se o futuro fosse hoje, como se a eternidade fosse aqui... como se o penalti fosse a última das ofensas, como se os fora de jogo que realmente importam não fossem justamente os milhões de seres humanos postos “fora de jogo”, “penaltizados” no seu direito de ser gente, no seu direito de ser pessoa, dentro do campo da vida, com o direito a viver em plenitude o campeonato da existência.” (Frei Fernando Ventura, in Tribuna Expresso)
    Este foi o tempo do regozijo, esperemos que agora venha o tempo do compromisso, por parte dos que se propõem a fazer das nossas freguesias e dos nossos municípios, locais melhores, onde haja melhor qualidade de vida, onde possa haver de novo esperança num país mais justo e equitativo, onde a festa seja mesmo de todos!..." T.Serrenho

    ResponderEliminar