quinta-feira, 26 de julho de 2018

Lobos disfarçados de… Advogados


Lobos disfarçados de… Advogados


Os maiores centros de poder, as verdadeiras sociedades secretas: são as firmas de advogados. Representam os interesses privados dos seus clientes, o que é legítimo. Mas já não é aceitável que estejam envolvidas na elaboração de Leis, que dominem a política ou que condicionem a comunicação social.

Os mais famosos advogados do País intervêm permanentemente no espaço público, mas habitualmente sob disfarce. Uma das mais poderosas é a “Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva e Associados”. Tem lançado ao longo dos anos jovens na política, como os centristas Assunção Cristas, Adolfo Mesquita Nunes ou Mendes da Silva. É sócio desta firma Lobo Xavier, que comenta na SIC economia ou política, sem que os espectadores se apercebam das suas fidelidades ao Grupo Mota-Engil, à Sonae, ao BPI e a outros tantos interesses. Firma também especialista em influenciar e coagir a opinião pública, através do domínio dos espaços de comentário político, é a poderosa “PLMJ”. Enxameia o espaço público com os seus representantes José Miguel Júdice, Nuno Morais Sarmento ou Luís Pais Antunes. A Abreu Advogados, gigante da advocacia, tem por seu porta-voz o social-democrata Luís Marques Mendes; enquanto a Sérvulo Correia tem ao seu serviço o centrista Diogo Feio. Luís Nobre Guedes e Pedro Mota Soares integram a NGMS, representação em Portugal do poderoso conglomerado Andersen Tax. Usam a seu bel-prazer o espaço mediático, defendendo os interesses de seus clientes, sob a capa de comentadores independentes.

O controlo dos media é, hoje por hoje, uma das principais funções dos advogados poderosos portugueses. A “Uria Menendez” representa, através de Proença de Carvalho, os interesses de Eduardo dos Santos, Ricardo Salgado e Sócrates. Proença faz comentário político na TSF sem revelar a quem serve. Como preside à Administração do “Jornal de Notícias”, pode censurar vozes incómodas aos negócios dos seus clientes.

Mas não ficam por aqui. É também nestas sociedades que vem sendo produzida a  legislação que mais prejudica os contribuintes, como a das ruinosas parcerias público-privadas, que teve origem em sociedades como a “Jardim, Sampaio, Magalhães e Silva”, do socialista Vera Jardim e do ex-Presidente Sampaio; ou até a elaboração do pernicioso e confuso Código de Contratação Pública, com origem na Sérvulo &Associados.

Em Portugal, é comum exigir-se, a cada passo, que actores públicos revelem as suas ligações à Maçonaria e à Opus Dei, para assim evidenciarem cumplicidades secretas. Talvez não fosse mau. Mas o que é mesmo necessário e urgente é que todos revelem as suas afiliações às sociedades de advogados. Pois são estas as verdadeiras e as mais perversas irmandades do regime.

Paulo de Morais
26/07/2018

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. Sensacional artigo de Paulo de Morais que vale a pena ler para percebermos quem é quem e como somos enganados diariamente pela comunicação social.

    É imprescindível termos a noção de que os comentadores politicos não são independentes e servem interesses que todos nós desconhecemos, e por isso, por vezes, parece que não faz sentido o que estão a dizer. Parece que não conhecem a realidade ou que vivem noutro mundo, quando no fundo só estão a defender os interesses dos seus clientes.

    O facto da comunicação social escolher para seus comentadores pessoas e advogados que não são independentes, só por si, é a prova real de que a comunicação social já está capturada por interesses e lóbis e que eles próprios já não são independentes.

    ResponderEliminar