terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Janela da Frente - "SOBRESSALTO CÍVICO" - Paulo de Morais

SOBRESSALTO CÍVICO
Portugal está adormecido. Temos assistido a uma gestão colectiva alheada dos cidadãos, que parecem abdicar assim da capacidade de decidir sobre a sua própria vida colectiva.
Causas? Os negócios capturaram progressivamente a política, a riqueza do país tem sido maioritariamente canalizada para os bolsos duma oligarquia dominante, os cidadãos sãomarginalizados dos processos de decisão. As consequências fazem-se sentir nas diversas facetas da vida nacional.
No plano social, a situação é deprimente: metade dos portugueses estaria em situação efectiva de pobreza se fosse privada dos benefícios sociais do estado; não tem autonomia na sua vida financeira e familiar. Cerca de um milhão e duzentos mil estão em situação de desemprego ou subemprego. Há mais de cento e cinquenta mil a trabalhar auferindo pouco mais de trezentos euros por mês. O salário mínimo é de miséria. A habitação é, na generalidade, de fraca qualidade e não há condições de aquecimento no Inverno que passamos, pois o preço da electricidade é, em termos relativos, o mais caro da Europa. Os idosos com problemas respiratórios recolhem-se nos hospitais enquanto de lá não os expulsam. As cantinas sociais multiplicam-se, oferecendo refeições a famílias que se humilham para ter acesso ao que lhes deveria ser liminarmente garantido pela sociedade.
Enquanto isto, a economia não se desenvolve. Os grupos dominantes são os que se encostam às prebendas do Estado. Estes empresários do regime dispõem de benefícios fiscais, de regimes de excepção: estão isentos de IMI porque os seus imóveis estão titulados em fundos de investimento imobiliário, não pagam mais-valias como os demais porque vão sedear as suas empresas na Holanda, escondem dinheiro em offshores... tudo lhes é permitido. Conseguem leis feitas à medida e são protegidos pelas mais poderosas sociedades de advogados onde pontificam os mais famosos juristas-
políticos.
E a política? Está totalmente capturada pelos negócios. Os dirigentes partidários estão ao serviço dos maiores grupos económicos. Legislam em função do interesse destes, concedem-lhes negócios milionários, como o das parcerias público-privadas, que custam ao estado cerca de dois mil milhões por ano. O Orçamento de Estado transformou-se numa manjedoura onde poderosos vão alambazar-se em permanência, com a cumplicidade de todos os partidos do regime. Fartos e cansados, os cidadãos
afastam-se, abstêm-se e não participam na sua vida pública.
Apesar desta situação social económica e política calamitosa, os políticos, do governo á oposição, passando pelo Presidente, não atacam qualquer dos problemas. Entretêm-se com o acessório, discutem o sexo dos anjos. No que são acompanhados pelos “media” que esqueceram a sua função social; deveriam constituir-se como quarto poder, peça fulcral de controlo dos outros poderes; mas transformaram-se em meras correias de transmissão dos interesses e do discurso dos políticos e, mais uma vez dos grupos económicos.
Portugal está anestesiado. Ou amordaçado. Precisa urgentemente dum sobressalto cívico.

13 comentários:

  1. Eu e a minha família, estamos aqui, completamente disponíveis, para ajudar nesse sobressalto cívico. Obrigada por essa vossa elevada iniciativa

    ResponderEliminar
  2. E quando o cidadão desesperado procura outros remédios para estas doenças crónicas da sua sociedade, é implacavelmente acusado de dar ouvidos ao "populismo"

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Responder com acusação de populismo e demagogia, só acontece porque não se tem argumentos para rebater os factos. Essas acusações, são comparáveis as respostas das crianças, quando lhes é perguntado, porquê? Respondem, Porque sim!

      Eliminar
  3. Como poderemos contribuir além de não votar nos partidos do regime?

    ResponderEliminar
  4. Como poderemos contribuir além de não votar nos partidos do regime?

    ResponderEliminar
  5. Em que deve consistir este Sobressalto Cívico?

    É que as grandes manifestações, com palavras de ordem, cartazes, bandeiras, discursos e canções já provaram que não têm efeito prático nenhum.

    ResponderEliminar
  6. O que entender por sobressalto cívico ? O que é isso ? Para mim, só se fôr cambalhota revolucionária, pois de acusações e denúncias já estamos fartos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Carlos basto INFORMA-TE OU ÉS DO QUE VIVEM À NOSSA CUSTA

      Eliminar
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
  7. EU ACHO QUE SE SE VIER A TOMAR ALGUMA INICIATIVA QUE EM VEZ DE SER SÓ EM LISBOA E PORTO DEVERIA SER EM TODAS AS CAPITAIS DE DISTRITO

    ResponderEliminar
  8. TOTALMENTE PRONTO E APTO E CONHEÇO MUITOS QUE TAMBÉM ESTÃO. VAMOS EM FRENTE....

    ResponderEliminar
  9. Movimentos cívicos, como o que se pretende iniciar aqui, são comuns nas latitudes mais a Norte e por vezes pilares importantes da sociedade. Infelizmente, muitos quando começam a ter algum peso, são corrompidos por dentro e passam a prestar favores aos poderes instituídos. Rapidamente acabam... mas outros surgem. Este, aqui em Portugal, peca por tardio ( para variar... ), mas tem a novidade de ter sido precedido por uma candidatura presidencial que foi oportunamente abafada... Talvez este antecedente seja uma garantia de que os que aderirem estarão mais atentos a desvios de isenção! Pessoalmente, serei aderente enquanto for claro que a independência e isenção 'destes cidadãos aderentes' não estiverem manipulados por algum interesse oculto.

    ResponderEliminar