domingo, 11 de junho de 2017

Janela da Frente - ESCOLHO PORTUGAL - Maria Teresa Serrenho



Escolho Portugal

Ontem foi dia de Portugal. Nasci portuguesa, Portugal é a minha pátria, como é de muitos milhares de Portugueses espalhados pelo Mundo fora.
Somos portugueses porque aqui nascemos, mas, ninguém pode escolher a terra onde nasceu. Não escolhe nem o país, nem a cidade, nem a família, nem a condição social…
Somos Portugueses e por isso herdámos características ancestrais que marcam a nossa maneira de ser, acolhedora e prazenteira, universalista e tolerante.
Mas se estas escolhas não pudemos fazer, há muitas outras que definem os nossos caminhos, porque a vida faz-se de escolhas, de escolhas, que condicionam a nossa vida e a vida dos que nos rodeiam.
Desde pequenos que fazemos escolhas, escolhemos ser “comportadinhos”, ou fazer birras, escolhemos os amiguinhos, as brincadeiras… E cedo aprendemos e compreendemos, que em consequência dessas escolhas recolheremos punições ou recompensas.
Observamos vários tipos de pessoas, aqueles que escolhem estar sempre do lado dos que consideram ter o poder, numa atitude de “lambebotismo” incansável, aqueles que tudo fazem para agradar e que têm sempre medo de perder alguma coisa, muitas vezes até de perder aquilo que não têm, nem nunca virão a ter.
Depois há os que escolhem ser “revolucionários”, que tudo criticam sentadinhos na mesa de um café ou no sofá, esperando que outros actuem, e como “treinadores de bancada” dão as instruções “precisas” de como os outros, os que dão a cara, deverão agir.
Há também os que escolheram ser fatalistas e conformados que se acomodam, porque “não vale a pena” ou porque “foi sempre assim”.
Mas agora, de entre uns e outros, surgiram outro tipo de pessoas, as que estão absolutamente fascinadas e orgulhosas, porque Portugal está na moda. Estes escolhem só ver aquilo que querem ver…
E, vêem: que finalmente estão a dar valor aos Portugueses, até já ganhámos o Festival! E, de repente, aos seus olhos, Portugal passou a ser o melhor país do Mundo e os Portugueses o melhor dos povos.
Nos maravilhosos dias de sol, com a fantástica luz de Portugal, tudo lhes parece cor de rosa e perfeito…
Se passarem perto de um bairro, onde há dezenas de pessoas desempregadas, com aqueles olhares, vazios de esperança e plenos de desespero, olharão para o outro lado…
Se quase tropeçarem num sem abrigo, clamarão em voz alta, que não querem é trabalhar…
Se virem uma idosa magra e escanzelada, tremendo provavelmente de fome, limparão as suas consciências, com aquela fantástica e altruística colaboração que deram a um qualquer Banco Alimentar contra a fome…
Ontem foi dia de Portugal, deste país sem dúvida maravilhoso, mas que tão mal governado tem sido, onde o fosso entre ricos e pobres é cada vez mais profundo, onde há gente a passar fome, onde a justiça não funciona, onde se dá primazia à banca em detrimento da educação e da saúde…
Se a vida é, sem dúvida, feita de escolhas, que escolhas têm feito os Portugueses para governar Portugal?
Portugal não pode ser apenas um cartaz turístico, é preciso que as nossas escolhas se façam com a consciência de que, só poderemos viver verdadeiramente bem, quando podermos olhar pela janela, sem o receio de vislumbrar uma fila de pobres que esperam um prato de sopa e um pão.
“Todos somos livres para fazer as nossas escolhas, mas ficaremos prisioneiro das consequências.” (Pablo Neruda, frase adaptada)

1 comentário:

  1. Concordo, com ressalva para os alegados revolucionários.
    Falar no café é melhor do que ignorar o que se passa à sua volta ou achar que não vale a pena falar nessas coisas, política, porque disso não percebem nada nem querem perceber porque são todos iguais!!! Os alegados revolucionários muitas vezes desesperam perante a indiferença de quem o rodeia, isto é, todos!
    Como diziam os outros, e o povo? O povo quer dinheiro para comprar um carro novo!!!!!!!

    ResponderEliminar