domingo, 5 de março de 2017

Janela da Frente - POBREZA CULTURAL - Maria Teresa Serrenho


Pobreza Cultural



Falemos hoje de cultura, não daquela Cultura que se atribui a um povo, não da Cultura do Povo Português, afável e generoso, com uma criatividade sui generis, que do nada, ou melhor, do muito pouco, criou uma gastronomia admirável de uma variedade regional invejável na Europa e no Mundo.
Não desta cultura de alma fadista e de tradições regionais mais ou menos bairristas que se distinguem de norte a sul do país e ilhas.
Falemos da cultura que nos falta, da cultura que se desenvolve com a educação, da cultura apelidada por alguns de erudita e que se encontra afastada da maioria dos cidadãos, até mesmo de muitos licenciados.
A cultura musical por exemplo, é lamentável que a maioria das nossas crianças não tenha acesso à Música, dita clássica. Música cuja audição promove paz e bem-estar, música que contribui para uma maior concentração, música que contribui para um melhor raciocínio matemático. Provavelmente se houvesse o hábito de se trabalhar ao som de boa música, nas nossas salas de aula, haveria mais concentração e menos indisciplina.
A maioria do nosso povo, não teve nunca, a oportunidade de assistir a um concerto executado por uma orquestra. Claro que felizmente temos as bandas de música, que por carolice de muitos, consegue ir dando o seu contributo nesta grande lacuna da nossa educação, mas não é a mesma coisa.
Mas não nos fiquemos pela música, a ópera, a pintura, a escultura, o teatro, será que são artes apenas para uns seres superiores e privilegiados?
Ninguém pode gostar daquilo que não conhece!
Quando se minimizam, nas horas curriculares, as disciplinas dedicadas à arte e ao desporto (que não seja apenas futebol) e se privilegiam a mecanização de “saberes” que contam para os rankings das escolas, estamos com certeza a pôr em causa o futuro destas gerações e da sua qualidade de vida.
Depois, quem é que pode pagar pela pouca oferta que existe nas nossas salas de espectáculos, quem é que pode ir a galerias e museus? Claro que quando o dinheiro não chega para as necessidades básicas, as pessoas nem sequer podem pensar em ir a um espectáculo, que muitas vezes nem sabe apreciar, porque desconhece, porque não teve oportunidade de aprender a gostar.
Não há dinheiro para a cultura, é sempre o “parente pobre” das apostas dos governos, que vão subsidiando com migalhas dos orçamentos, este e aquele projecto, sem que se aposte numa estratégia de desenvolvimento cultural, quer nas escolas, quer na sociedade em geral.
O curioso, é que apesar de não haver dinheiro para as artes e para a cultura, continuam a haver uns “artistas” que qual “mágicos/malabaristas” fazem desaparecer para qualquer offshore, não migalhas, mas milhares de milhões de euros do dinheiro que é de todos.
Estes não são com certeza os “artistas” que queremos apoiar!
Fazem-se estudos da “linha de pobreza” na Europa, sempre baseados nos rendimentos familiares, que é bem variável de país para país. Mas a pobreza é bem mais do que isso. A ignorância cultivada e a manipulação dessa ignorância, para manter o povo num conformismo, onde o espírito critico não tem lugar, são com certeza uma outra forma de pobreza não mensurável.

2 comentários:

  1. Sem duvida que o grande manifesto da ignorância de um povo é a sua falta de cultura e isso infelizmente a democracia não conseguiu corrigir um grande erro do passado, pois quanto mais inculto um povo mais fácil será de explorá-lo.Formar pessoas não só será dar aquilo que elas gostam, mas sobre tudo ensiná-las a conhecer e gostar daquilo que não conhecem.

    ResponderEliminar
  2. E como sair desta apagada e vil tristeza? A revolução de 74 só agravou a nossa pobreza cultural, disfarçada por algumas iniciativas particulares como as da Gulbenkian. Entretanto o futebol é-nos servido em doses pantagruélicas e tóxicas, cada vez mais "elevadas", como demonstra o discurso do presidente do meu Clube ao ganhar as eleições de ontem!
    A Maria Teresa sabia que a Maria João Pires renunciou à nacionalidade portuguesa e é agora brasileira? Creio que terá sido por um qualquer problema administrativo surgido com a obra que criara em Belgais. Nunca vi a nossa comunicação social interessar-se pelo assunto...

    ResponderEliminar